Montagem e manutenção de computadores e placas de vídeo para mineração de criptomoedas

Com o passar do tempo, as peças de computadores têm evoluído cada vez mais e mais, ficando mais potentes e entregando mais desempenho.

Como consequência dessa evolução, os mineradores de criptomoedas aproveitam para conseguir mais moedas digitais de valores exorbitantes. Mas antes, é preciso um processo de montagem de uma máquina capaz de aguentar o processo de mineração.

Montando um computador de qualidade

A montagem de um computador que seja capaz de realizar a mineração de bitcoin (uma das criptomoedas mais famosas) é mais complicada do que parece.

Não basta simplesmente pegar uma máquina simples, trocar algumas peças e esperar resultados imediatos. Para começar, é importante o uso de uma fonte potente, para dar conta de tantos itens que exigem muita energia.

Em seguida, é necessário um bom conjunto de resfriamento, já que os outros componentes serão utilizados no extremo, elevando a temperatura da máquina a níveis altíssimos. A presença de um bom processador e uma alta quantidade de memória RAM para que o computador não se “engasgue” durante o processo é muito importante.

Por fim, o componente mais importante da mineração: a placa de vídeo. Ela que é a grande responsável por esse processo complexo. Não por acaso, devido ao grande aumento de mineradores de criptomoedas no Brasil e no mundo, os preços de placas de vídeo de melhor qualidade estão atingindo patamares exorbitantes.

A mineração e seus impactos

O processo de mineração é muito complexo. Esses computadores superpotentes resolvem problemas matemáticos supercomplicados, e como prêmio dessa solução, o minerador recebe a moeda digital.

Todo esse processo exige o conhecimento de vários setores de tecnologia, como o blockchain (uma espécie de sistema financeiro eletrônico), e envolve muito mais dinheiro do que aparenta.

O não envolvimento de bancos e governos nesses processos, além da escassez das criptomoedas no mundo digital, faz com que os valores de moedas mineradas sejam absurdos. Uma unidade de bitcoin, por exemplo, pode ser comprada por cerca de R$214.500 (na cotação atual).

O fato de a mineração estar crescendo cada vez mais, com a utilização de computadores mais potentes, os impactos ambientais também são grandes. O consumo elevado de energia para o funcionamento de computadores capazes de realizar a mineração é uma grande preocupação por parte dos investidores.

No Brasil, com o crescimento do valor do consumo de energia elétrica e das peças do computador, a atividade de mineração já não aparenta ser muito vantajosa.

O futuro das criptomoedas

A corrida das criptomoedas está apenas começando. Novos códigos criptografados vão surgindo no dia a dia e mais pessoas vão entrando nesse mundo. Investimentos milionários em busca de uma moeda única vão se tornando mais comum.

Não há uma perspectiva em que a mineração digital irá acabar, e a tendência é de que mais moedas digitais – com maior nível de raridade – passem a surgir – ou não. E se um dia chegarmos ao fim da mineração, os valores que já são vistos na casa das centenas de milhares de reais, podem atingir facilmente a linha do milhão.

Este artigo foi útil? Compartilhe!

Avenida Independência, 299 - Ribeirão Preto-SP - CEP14020-010 - Tel: (16) 3211-7373 / (16) 3610-1626